O Blog

Existe uma civilização e uma Força Maior; e existe a fé dessa civilização nesta Força Maior...

Todos os povos ao longo do seu desenvolvimento sempre buscaram desenvolver a fé. Em todos os continentes mesmo muito antes da globalização os homens deixaram provas de que tiveram experiências transcendentes à matéria. Isso me faz acreditar que a fé é algo inseparável do homem, seja ele qual for. Até mesmo um homem cético pode ter fé que desconsiderar o lado espiritual do ser humano trará benefícios para a humanidade.

Ou seja, a fé é ponte que liga o homem-material às experiências consigo mesmo e com Força Maior do Universo. A fé é sem dúvida um dos maiores combustíveis do ser humano, é pela fé que moldamos o nosso jeito de agir, pensar, falar, comportar, vestir, consumir, amar... enfim, é através da fé que moldamos a nossa visão de mundo.

E o Inconsciente Flutuante nasceu de uma vontade que eu tive de registar algumas das minhas reflexões sobre o cotidiano em que vivemos em relação ao lado subjetivo das coisas. A partir de conceitos intuitivos tentar desenvolver linhas de raciocínio sobre o nosso comportamento em relação a fé, tecnologia, ciência, psicologia, meio ambiente, amor, historia, filosofia, cultura de rua, poesia, desigualdade, governo, religião, natureza, misticismo...


O Inconsciente Flutuante vem colocar todos esses paradigmas no ar para buscar um questionamento entre os antigos valores culturais-religiosos e o nosso mundo atual cercado de tecnologia e ceticismo. Questionar de forma in-cons-ciente, ou seja, não gabaritado de conhecimento científico. Questionar de forma flutuante, ou seja, sem nada para se apoiar. Questionar... valorizando todas as demonstrações de fé, pois todas são validas para quem à elas atribui o devido valor.

Além de tudo o blog é um dos meus pontos de fuga onde eu busco me expressar sempre de formar criativa e diversa, seja através de um texto, um poema, uma imagem, um desenho, um depoimento, um sticker no poste, um grafitti no muro... e por ai vai. Se for pra falar de amor eu vou falar de amor, se for pra falar de tristeza eu vou falar também(mas, prefiro evitar).

Espero que as pessoas que aqui cheguem possam achar aquilo que procuram. Talvez, uma reflexão displicente para o dia-a-dia... Talvez, uma sintonia de pensamento... O que importa de verdade é que podemos aprender juntos, podemos sentar e conversar falar da vida, de fé, de amor, dos questionamentos filosóficos que regem a nossa exitência, dos nossos desejos de mudar o mundo... Podemos também beber até o amanhecer e quando o Sol raiar fazer uma breve reverência...

Booom dia Sooolll! Namastê!

Contato: inconscienteflutuante@gmail.com

...