Seus Direitos

“Lute pelo seus direitos!”

Se você nunca escutou esse clichê provavelmente não viveu no planeta Terra nos últimos 38 anos rs. É automático. As pessoas sempre falam quando veem alguém injustiçado:

-É. Você tem que lutar pelos seus direitos! Vai lá! Você não pode ficar parado! Etc...

Ok.

Aparentemente isso ecoa como uma ideia de Libertários Revolucionários do Século XXI, ou algo do tipo. Aparentemente, apenas aparentemente. E eu vou tentar explicar o porquê.

“Lutar pelo que é seu” de cara já sugere um individualismo e fanatismo por um ideal sem limites. É fácil perceber. As pessoas que lutam apenas pelo que é seu esquecem imediatamente das necessidades do outro. E isso tem nome: canibalismo. “Lutar pelo que é seu” de cara já demonstra que você é o dono da razão e mais ninguém, ou seja, não sugere diálogo. É a sua prepotência contra a prepotência de alguém maior que você. A única diferença é quem está no comando.

E para quem ainda defende a ideia eu aconselho que observe os nossos parlamentares; eles sim são os melhores exemplos de quem luta pelos próprios direitos. Observe aquele dono de multinacional que te escraviza e exige menos impostos; ele sim luta pelos próprios direitos. Observe ainda a classe média alta que tem vergonha de ser pobre e sonha adoravelmente em ser rica a qualquer preço; eles sim estão lutando pelos próprios direitos.

Tudo isso são individualidades e ninguém lembra do coletivo. Ninguém lembrou o quanto é importante lutar pelos direitos do outro. Quem estuda em escola particular tem orgulho de vestir o seu uniforme engomado ao invés de lutar por um ensino público eficiente. Quem tem plano de saúde exibe seu cartão de usuário ao invés de lutar por saúde pública de qualidade. Quem tem uma BMW de R$ 250.000,00 quer uma Ferrari de R$ 500.000,00 ao invés de lutar por um transporte público mais barato e moderno.

-Ah, então as coisas nunca vão mudar então?


Vão mudar sim, quando um lutar pelo direito do outro o mundo vai mudar. É só assim que muda. É claro que se a parte mais prejudicada não se envolver nada acontece, mas só isso não basta. Tem que haver uma comoção geral em prol de algo que é certo. Lutar pelo que é justo de fato. Lutar não só pelo preço justo dos importados; lutar também pelo preço justo dos alimentos, remédios, moradias, combustíveis, vestuários, livros e lazer. Só assim faremos realmente muitas mudanças positivas em nossa sociedade. 

Mas, para que isso aconteça é necessário que todos lutemos pelo bem comum. É fundamental ter movimentos sociais engajados com causas ambientais, assim como, ter movimentos ambientais que marchem por causas homossexuais, e, movimentos homossexuais que se comprometam com causas sociais. Será a partir daí que veremos os frutos de todas essas transformações que almejamos.

Enquanto formos movimentos isolados lutando apenas pelos nossos direitos nada seremos.

Obs.: Eu assinei o abaixo assinado do Felipe Neto, apesar dele não ser um dos caras que eu mais acompanho no Youtube. Achei a causa válida e quero ver no que vai dar.

=]