Cigana

Cigana...

Eu nunca te chamei assim, mas ao poucos você vai se reconhecer nessas palavras. Com você sempre é assim, aos poucos. É segredo, é mistério, é penumbra. É como um pequeno labirinto que revela a cada instante uma nova saída diferente. E eu me encantei por esse roteiro desde o início. Mesmo não sabendo onde estava pisando queria me envolver. Cigana, decifrar-te virou uma obsessão; confesso.

Curioso, deslumbrado, enfeitiçado...



Inconsequente, achei que estava respeitando o limite da minha “linha de segurança”, porém quando me dei conta ela já não existia. Tudo ficou fora de controle e o meu coração começou a bater "boum boum boum" cada vez mais forte... Por você, Cigana.

Sua sensibilidade aflorada, poderes mágicos e secretos, seu dom de sedução, suas cartas de tarot aposentadas, seus relatos clarividentes, sexto sentido confuso, sua bola de cristal esquecida e seus incensos guardados. Uma cartomante fora de atividade? Que nada, de repente senti algo bem maior em você, pois não precisava de tais artifícios para me adivinhar.


Assustado, percebi que você me percebia. Encantado, não controlei a vontade de pular de corpo e alma...


Não era medo e sim uma adrenalina, ou felicidade... sei lá. Eu não consegui olhar nos seus olhos de primeira e você deu risada. Talvez você subestimou a minha capacidade de aprender certos truques rs. Foi aí que busquei refúgio nos meus ensinamentos ocultos e entendi que o nosso amor seria rodeado de magia. Num segundo momento a Padaria Veneza testemunhou a minha revanche. Cigana, porque seus olhos fogem dos meus? =P


Não adiantou fugir do meu olhar, eu escutei o seu coração bater no mesmo ritmo que o meu. Eu ouvi sincronismo das batidas "boum boum boum". O calor da sintonia dos nossos espíritos... Um "boum boum boum" pulsando de alegria. É como o tic-tac de uma bomba-relógio... É como se fosse o último segundo e não existisse fio azul ou vermelho para se cortar...


Finalmente você me abriu um olhar ainda contido e mostrou o quanto nós dois nos precisávamos um do outro. Mostrou o quanto você estava ali ao meu dispor, entregue e minha.

"Love – Devotion...
Feliing – Emoticion..."


Com a gente é tudo além das três dimensões, é percepção, é acima de tudo devoção. É um enigma a ser decifrado nos pequenos detalhes (=P), nos pequenos gestos e nos pequenos universos que nos cercam. Um carinho que foi concebido em meio a nossa essência mais sutil, um telefone cuja a discagem é feita pela alma. Uma rede que nos prende além dos limites da metafísica. Assim estamos ligados... Transparentes nos vemos um através do outro, nos observamos e contemplamos num ritual puro e verdadeiro.


Cigana, muito mais que uma simples observadora, uma voyeur que me observa e deixa ser observada. Olhos que gravam, reproduzem e editam o nosso roteiro. Fazemos questão de eternizar os gestos de carinho... Quando eu faço de você minha confidente, quando você reclama minha displicência, quando o meu jeito Tarzan te magoa pela minha insensibilidade, quando o seu jeito She-Ra te traz um contrapeso de fragilidade, quando eu tiro a mecha de cabelo do seu rosto, quando você não abre mão de dormir com a minha camisa...


Fazemos questão de eternizar os gestos de carinho por que não sabemos até quando o nosso filme vai ficar em cartaz.



Um filme que por unanimidade já foi decidido o final, mas que com certeza terá uma próxima versão. Talvez não nessa vida, talvez não nesse plano, talvez nem nesse planeta... Só não duvide que eu vá, talvez seja através do trago não dado no seu cigarro ou na cela do pegasus no seu tornozelo, só naõ duvide Cigana...

Sem sombra de dúvidas, você é mulher para essa e muitas outras vidas.

...