Reevolução (parte VI)

Sensibilizar... É engraçado como o termo “sensibilizar” se tornou comum nos últimos tempos tanto na TV, rádio e internet. Talvez seja paranoia minha, porém eu ouço em todos os cantos...

“A população precisa se sensibilizar... As nossas autoridades não se sensibilizam... A imprensa fica sensibilizada com a situação...” e assim por diante. Sensibilizar, sensibilizando, sensibilização...

Uma das grandes características das manifestações organizadas por Gandhi foi o jejum. Diferente do que muitos imaginam o jejum praticado por Gandhi não tinha como principal intensão sensibilizar os ingleses, Gandhi ensinou que o jejum renova a ideia resistência e as forças espirituais dos rebeldes. Como isso? É simples...

Ser rebelde é primeiramente dizer não. Não ao sistema, não ao opressor, não aos valores falidos. É nessa parte que entra o jejum ensinando-nos a dizer não a nós mesmos, mas não só isso. Junto com jejum deve vir a reflexão. Jesus passou 40 dias no deserto e soube muito bem o sentido da abstenção, da tentação, dos questionamentos e em meio a todas as dificuldades e Ele disse não. Se quisermos mudar alguma coisa ao nosso redor devemos fazer como Ele fez e também dizer não. Esse sim é o verdadeiro sentido do jejum proposto por Gandhi que está longe de só querer sensibilizar o inimigo. o/

De vez em quando a mídia noticia algumas manifestações de alguns grupos e fico observando atos como: enterrar cruzes na praia, se jogar em meio aos saguões de espera dos aeroportos, correr de bicicleta com pouca roupa (ou sem rs) e tal. E na hora de dar entrevista sempre tem um que diz assim: “Nós queremos sensibilizar a sociedade e as autoridades sobre os problemas que estamos enfrentando...” Eu curto pra caramba protestos, manifestações e afins, mas sinto que há uma inocência das pessoas adotaram o termo “sensibilizar”.

Sensibilizar quem? Os caras que vivem em condomínios fechados? Os caras que tem jatinhos particulares? Os caras que aumentam o próprio salário em 60% e em compensação aumentam o seu em R$60,00? Nós nos sensibilizamos com os nossos problemas por que sofremos na pele as consequências, eles não sofrem, apenas imaginam o tanto que sofremos (se é que imaginam) e não fazem nada. Eu acredito que sensibilizar é um termo que pode ser usado para pessoas que tem sentimentos e infelizmente os nossos inimigos são desprovidos desse dom.

Precisamos de outra estratégia mais consistente: a mobilização o/. Mobilizar é a capacidade que temos de organizarmo-nos e prol de uma causa e fazer valer a nossa proposta de melhoria. É exigir que saia do poder os que não sabem usa-lo em favor do bem comum. É exigir condições para que todas as pessoas possam realizar seus sonhos. É exigir ao menos que as nossas necessidades básicas sejam atendidas com dignidade.


As diferenças entre sensibilização e mobilização ficam claras quando olhamos desse ângulo. Não adianta pensar que manifestação pacífica é comover o opressor a se entregar, isso não existe! A história da Indenpêndencia da Índia prova justamente o contrário.
 

Mas, prova também que além das utopias criadas sobre da figura de Gandhi que se rebelar de maneira pacífica é ter um sentimento tão insaciável pela liberdade que nenhuma outra força violenta ou não pode deter. =D

continua...