Hoje eu esqueci meu cabo USB

Faz algumas décadas que o homens estão tendo um contato mais direto com a tecnologia, e ela realmente facilita a nossa vida? as vezes sim, as vezes não. E nos últimos a acessibilidade a Internet trouxe ainda mais conflitos, da euforia de se receber um e-mail de uma pessoa querida ao tédio de quando parece que o computador é o nosso maior inimigo. Um turbilhão de novas sensações para humanidade que em algum momento vai ter que acha um equilíbrio entre vida real e virtual, mas até lá vai se virando como pode.

Hoje eu esqueci meu cabo USB,
Por incrível que pareça, eu esqueci...


Não troquei o papel de parede.
Mas, ele agora tem outra forma.
Não atualizei o anti-vírus.
Mas, não fiquei vulnerável.

Na verdade eu quis isso!
E quis ver o pôr Sol...
E não o brilho de um LCD.

Coisa que não precisa de atualização
Pois, sempre está atualizada.
A vida, eu quis ver.

Os pássaros improvisadores
Que improvisam belas canções,
Versões indisponíveis para download.
Ousadas e estáticas árvores
Que se recusam a abandonar o concreto
São coolers de seus próprios predadores.


Um pedaço de mim que se extraviou,
Porém, é nítida sua ramificação.
Agora eu carrego o mundo no bolso.
Sou um Universo instável em expansão
Que some na falta de energia elétrica
Que evapora com o tédio e desilusão.

Sem buffer, bodes, bugs ou bobagens
Robôs sem nenhum crucifixo no peito,
Nossos talismãs são pen-drives.
Somos pixels perdidos,
Bytes flutuando na atmosfera,
Facilmente decodificados através de um e zero.

Não que faça falta, nem nada.
Mas hoje, justo hoje,
Eu esqueci meu cabo USB.