Judite, capítulo 10 ao 13

O livro de Judite divide-se em duas partes:

"I. Antecedentes do cerco a Betúlia (1,1-6,21): o poder de Nabucodonosor (1); expedição de Holofernes (2); procedimento das nações gentias (3); os Judeus preparam-se para a guerra (4); discurso de Aquior a Holofernes (5); resposta de Holofernes (6).

II. Vitória dos Judeus (7,1-16,25): a situação torna-se difícil em Betúlia (7); Judite diante dos chefes do povo (8); a oração de Judite (9); a caminho do acampamento assírio (10); na presença de Holofernes (11); Judite na ceia de Holofernes (12); regresso triunfante à cidade (13); ataque contra os assírios (14); vitória completa dos Judeus (15); cântico de Judite (16,1-17); conclusão da história de Judite (16,18-25)."

Esse Livro Bíblico narra um momento da história do povo judeu, que nessa época era escravizado por Nabucodonosor. Os judeus se sentiam desestimulados a lutar devido à tamanha diferença de poder entre os povos, porém houve uma salvadora, uma viúva chamada Judite que recebeu um chamado de Deus e decidiu lutar sozinha contra seus opressores.

Judite era formosa e bela... além de ser uma mulher muito respeitada no seu reino devido a sua fé. Ela decidiu viajar para o reino assírio e conhecer o comandante de seu exército: Holofernes. Logo que chegou ao campo inimigo Judite foi muito bem recebida (rs), os soldados ficaram admirados com sua beleza e lhe abriram os portões. Ao entrar disse que ensinaria ao Rei como vencer a guerra de tal forma com que nenhum de seus soldados morressem.

Judite foi levada para uma tenda, ela jantava todos os dias com Holofernes, mas eles não compartilhavam da mesma refeição, pois ela levava comida consigo devido a dieta alimentar judaica ter algumas regras que os pagãos não seguiam. Os dois conversaram sobre a atual situação dos dois reinos e Judite media as palavras, pois não poderia trair o seu povo nem muito menos dar a entender suas intenções. Nisso se passaram três dias...

Na quarta noite Holofernes chamou seus servos para beber vinho, e durante a festa decidiram chamar Judite; ele se encantou com o modo com que Judite lhe dava atenção e dava sua conquista como certa. Quando a festa acabou Judite levou Holofernes para sua tenda que dormiu em consequência do excesso de álcool consumido. Judite já havia orado e pediu coragem a Deus para concluir seu plano e no meio da noite ela sacou sua espada e puxou os cabelos de Holofernes e o decepou. Durante a madrugada saiu as escondidas e levou a cabeça de Holofernes como prêmio aos judeus, que comemoraram e não foram incomodados por exercito algum durante um tempo. Judite não arrumou ninguém que substituísse seu marido e morreu aos 105 anos.

Essa é a história de Judite, gostaram?

Eu não gostei... e tenho certeza que aqueles que lutam pela paz no mundo não gostaram, a vingança nunca foi um sentimento que aproximasse as pessoas de Deus e muito menos decepar alguém em seu nome. Quando Cristo diz a Pedro: "embainha tua espada!" fica claro que, revidar não é o caminho certo. O que o povo judeu ganhou vencendo desta forma os assírios? paz? Só por algumas décadas, e as vezes nós não entendemos por que em nosso tempo existem homens bomba, atentados terroristas e muros em Israel... É pelo mesmo motivo de outros tempos: a intolerância e o fanatismo religioso.

Prefiro ter como exemplos de fé Jesus Cristo, Mahatma Gandhi. Martin Luther King, Dalai Lama etc... pessoas que revidaram ódio com amor e nada mais. E, nos ensinaramm que só assim é possível resolver definitivamente os conflitos. Pois ninguém perde quando se resolve as divergências com amor, ninguém precisa oferecer vidas em holocausto quando se resolve as divergências com amor e nenhuma mãe precisa chora a morte se seu filho quando as divergências se resolvem com amor... Não há revanche e não há vingança, todos ganham e compartilham na mesma mesa.

Venho fazer um convite a todos que gostam de ler a Bíblia, que não leiam penas versículos isolados. A Bíblia não é só um amontoado de frases bonitas para colocar na traseira dos nossos carros. A Bíblia é um conjunto de livros e histórias sagradas que merecem antes de mais nada reflexão. Leiam capítulos ou se possível os livros inteiros, isso vai fazer com que a nossa interpretação esteja mais próxima do contexto real dos textos bíblicos.

Deixo aqui o link para o livro de Judite, é um livro muito interessante e fácil de entender.


paz a todos!

Mitos Solares

Foi com o Sol que os homens tiveram seu primeiro contato com a religião, e seguindo esta linha de raciocínio não existia privilegiados ou excluídos, afinal, o Sol nasce para todos sem perguntar raça, religião, classe social, sexo, humor... pois Ele apenas nasce. Porém quando a noite chegava todos ficavam receosos do que estaria por vir, o medo tomava conta do homens e eles depositavam toda sua fé na certeza de que um novo amanhecer viria.

"O Homem começa a criar mitos, pequenos dramas para explicar e humanizar tais ritos. Os mitos serviram no passado para expor certas verdades de forma que somente os iniciados poderiam entender. O primeiro mito que o Homem conheceu é o Mito Solar. O Sol representava o nascimento, a vida, a morte e a ressurreição. Assim a religião católica estabeleceu o nascimento de Jesus em 25 de Dezembro, no solstício de Inverno (Hemisfério Norte) quando a constelação da Virgem aparece no horizonte simbolizando que Ele nasce de uma virgem. Logo, similar ao Sol, a Jesus pesa a todos os perigos que lhe ameaçam na sua infância e se levanta triunfante para proclamar sua doutrina. O Sol renasce na primavera e cria uma nova vida na natureza que havia perecido no inverno. O Sol foi o início das religiões."
fonte: http://www.guatimozin.org.br/artigos/relig_homem.htm

Nas civilizações mais antigas eram comuns o culto ao Sol ou divindades a ele relacionadas, o Sol era visto com ser de forma homogenia fonte de Luz e calor que tornava a vida dos homens na Terra possível. Conforme o tempo foi passando "Deus" foi ganhando forma humana; ganhou braços, pés, cabeças e até barba! (kkk); mas "Deus" agora com a forma humana também ganhou outra função passou a julgar uma por uma de suas criaturas.

Os homens que se viam de uma forma igualitária e cuidavam uns dos outros; todo esse cuidado se devia ao fato de que se um transgredisse as regras todos pagariam por tal ato, através de trovões, estiagens etc... com isso todos se orientavam guardavam a vida de cada um dos integrantes do grupo com se fosse e vida dele próprio. Afinal, as vidas tinham um significado muito além de sentimentos, uma vida a menos significava: um a menos na caça, um a menos na vigilância, um a menos para reprodução...

Porém, os homens passarama entender que a vida e "Deus" era algo individual e que era possível se manter na Terra ou no Céu sozinhos, a partir daquele momento era cada um por si; com o julgamento individualizado passou também a existir a despreocupação com os demais do grupo e com a própria vida. 


O homem de hoje em dia é obcecado pela própria felicidade, sucesso e salvação, isso fez de nós máquinas individualistas e predadoras; despertando o vazio melancólico e depressivo dos dias atuais.

Prefiro ter Deus ainda como um Sol, um Deus que nasce, ilumina e acompanha todos seus filhos e se demonstra acima de tudo para aqueles que querem ou não ver. Um Sol que não cobra impostos por oferecer energia, um Sol sábio que oferece a noite aos seus filhos para que eles coloquem em prática o que foi lhes ensinou durante o dia, e que; quando aparenta se ausentar na verdade manda a Lua
em seu nome para refletir toda sua Luz e não nos deixar em completa escuridão. É nisto que eu acredito. Um Sol que conduz seus filhos ao caminho da evolução conjunta.